Entenda agora a importância do orçamento familiar e como pode ser feito

Fazer previsões, estabelecer metas e manter a organização são as melhores estratégias para se alcançar qualquer objetivo. Tais cuidados também valem quando se trata de economizar dinheiro e fazê-lo render mais — por isso o orçamento familiar é tão importante.

Trata-se de um planejamento que inclui as receitas e despesas de uma família. Assim, é possível saber para onde vai o dinheiro e pensar em como utilizá-lo da melhor maneira, para que sobre uma quantia a ser investida. Essa é uma forma de garantir a segurança financeira e, consequentemente, mais qualidade de vida.

Se você quer organizar suas contas, descobrir a importância do orçamento familiar e aprender a fazê-lo, continue a leitura. Vamos explicar tudo isso!

Por que o orçamento familiar é tão importante?

Fazer o orçamento familiar não significa necessariamente se privar, mas sim ter um controle da vida financeira da família. É claro que será preciso fazer cortes caso seja constatado um déficit, mas deve-se ter a consciência de que isso é importante para garantir estabilidade.

Portanto, tal tipo de planejamento é fundamental para ter um controle sobre o que se ganha e o que se gasta, mantendo o saldo sempre positivo ao final de cada mês. Lembre-se: planejamento é a palavra-chave para poupar.

Mais segurança

Não saber como andam as finanças é uma situação que causa instabilidade e tira o sossego de qualquer um, ainda mais quando se tem familiares que dependem financeiramente de você. Já pensou em como eles ficarão quando você se for? Fazer um orçamento familiar permite assegurar que não falte dinheiro em situação alguma.

Assim, você também pode se planejar para ter um valor a mais e investir. Isso proporciona ainda mais tranquilidade para planejar o futuro de sua família sem que a questão financeira seja um obstáculo.

Aumento da renda

A renda corresponde à remuneração decorrente de alguma atividade ou investimento, como:

  • salários;
  • aluguéis;
  • rendimentos de valores investidos;
  • valorização de bens móveis e imóveis, entre outros ganhos.

Ter um orçamento familiar permite a você aumentar sua renda. Isso porque, tendo consciência sobre onde mais se gasta, é possível decidir em quais pontos fazer cortes para poupar dinheiro. Em consequência, os valores restantes podem ser aplicados em outras atividades ou investimentos, o que vai gerar mais renda para a família.

Acumulando e aplicando determinada quantia mensalmente, ao final de alguns anos você pode adquirir um imóvel e obter retorno a partir de sua locação, por exemplo.

Melhores hábitos financeiros

Uma das maiores vantagens de se planejar financeiramente é a adoção de melhores hábitos em relação ao dinheiro. Isso ocorre porque, com uma boa organização, estabelecendo prazos e limite de gastos, você evita que as contas se atrasem. Como resultado, afasta-se a necessidade de desembolsar ainda mais dinheiro para pagar juros e multas.

Além disso, ter tal comportamento faz com que você seja reconhecido no mercado como bom pagador. Consequentemente, a concessão de crédito, descontos e benefícios é facilitada. Ou seja: trata-se de um ciclo virtuoso, no qual tudo conspirará para que seu dinheiro renda ainda mais.

Bem-estar da família

Criar um orçamento proporciona mais bem-estar para toda a família, pois nada melhor do que ter bons momentos ao lado de pessoas queridas, não é mesmo? O planejamento permite que você conte com uma reserva para viajar e, assim, possa aproveitar a vida junto aos familiares!

Guardando valores para a contratação e o pagamento de serviços importantes como um plano funerário, seus familiares ficarão amparados quanto aos custos da despedida até mesmo quando você não estiver mais entre eles. Logo, economizar e utilizar seu dinheiro de maneira consciente significa oferecer mais tranquilidade a todos (durante a vida e após a morte).

Como fazer o orçamento familiar?

Antes de qualquer outra coisa, é preciso entender como está sua situação financeira. Então, comece o orçamento listando todas as fontes de recursos da família, incluindo salários, aluguéis e investimentos. Ao lado dessa lista, faça outra contendo os gastos mensais, como contas de água, luz, telefone, internet, gás etc.

Em seguida, você deve somar cada uma das colunas e subtrair o total de despesas das receitas. Se houver saldo positivo, ótimo! Isso significa que você está controlando bem o uso do dinheiro e ainda tem uma reserva para investir.

Caso as contas fiquem no zero a zero, considere cortar aquilo que não é tão necessário para ter uma margem de segurança. Se o resultado for negativo, será preciso fazer economias mais drásticas, como vender itens sem muita utilidade no seu dia a dia (uma bicicleta, por exemplo).

Estabeleça limites e identifique prioridades

Identificada a necessidade de fazer cortes ou não, é sempre bom estabelecer limites para que as finanças não saiam do controle. Reúna a família, crie regras que todos deverão cumprir e imponha um tempo máximo para o banho de cada pessoa, por exemplo.

Também é importante estimular a participação dos filhos na economia de energia, criando um teto de consumo. O mesmo vale para o dinheiro utilizado com o lazer, o qual deve ser disponibilizado somente até certo limite a cada mês.

Além de limitar, é primordial priorizar. Identifique o que é essencial e, por isso, precisa de uma reserva de dinheiro garantida. Um bom exemplo é o plano funerário: a verdade é que o momento da sua partida já será bastante difícil para os familiares, então assegurar esse conforto é fundamental. Portanto, planeje-se para que seja possível contratar um e mantê-lo com o pagamento sempre em dia.

Elabore metas

Impostas as restrições, é hora de vislumbrar as metas — que são muito importantes para saber até onde se quer chegar e servem como estímulos. Então, pare e pense naquilo que deseja para o dinheiro que pretende economizar e aplicar.

Seu objetivo é fazer uma viagem, comprar um imóvel ou, pensando mais além, adquirir um jazigo? Faça uma pesquisa para obter o valor daquilo que você quer e, a partir de então, esforce-se para juntar o dinheiro necessário.

Como visto, o orçamento familiar nada mais é do que um planejamento financeiro que tem como objetivo ajustar as contas domésticas. Trata-se de uma estratégia para que o dinheiro não falte e haja sobras que possam ser aplicadas de maneira a gerar estabilidade para si e a família.

A garantia de estabilidade, aliás, é importante durante a vida e após o fim dela. Nisso está a relevância de se planejar pensando a longo prazo, afinal cuidar das finanças também é se preocupar com quem você ama (tanto em relação ao presente como ao futuro). Pense nisso!

Então, que tal começar seu orçamento familiar economizando na contratação de um plano funerário? Entre em contato com a gente e conheça nossas opções!

Veja mais

Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos. A verdade é que todo tipo de relacionamento […]

Seguro funerário ou assistência funerária? Entendas as diferenças

O falecimento de um parente ou amigo próximo é um momento complicado. Além de você ter de lidar com a dor da perda, é preciso organizar a documentação, velório e funeral. Se a família não tiver seguro funerário ou assistência funerária, a situação ficará mais difícil e dispendiosa financeiramente. O indicado é fazer um plano individual […]

Entenda como funciona a doação de órgãos no Brasil

Você sabia que existe a lei 9.434 de 4 de fevereiro de 1997, que regulamenta a doação de órgãos no Brasil, há mais de 20 anos? Ela determina que possam ser retirados tecidos, órgãos e partes do corpo do falecido para transplantes ou fins terapêuticos. Mesmo mediante a vontade expressa da pessoa antes de morrer, a […]