Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos.

A verdade é que todo tipo de relacionamento exige isso e, dentro de casa, a conversa facilita a convivência, uma vez que permite a troca de experiências de maneira mais intensa. Além disso, ela favorece a compreensão sobre o que o outro pensa e sente, permitindo, dependendo do caso, oferecer ajuda a quem precisa.

Para entender melhor o assunto e saber como estimular o diálogo com os filhos, continue a leitura! Vamos explicar para você.

Por que manter o diálogo com os filhos?

Como mencionado, os vínculos entre familiares têm forte influência na vida de uma pessoa e eles se concretizam principalmente a partir do diálogo. Ele aproxima ainda mais pessoas com laços de sangue. Quer saber por quê? Então descubra!

Estabelece confiança

Quando percebemos que do nosso lado há alguém disposto a escutar o que temos a dizer e orientar no que for necessário, uma relação de confiança naturalmente se estabelece com aquela pessoa. Então, quem disse que isso não pode acontecer entre pais e filhos?

Pode e deve, afinal, não há laço mais forte que esse. Então, por que não aproveitar os momentos de diálogo para criar uma relação ainda mais estreita? A possibilidade de falar, ser escutado e ouvir palavras de incentivo e elogios também estimula nos filhos a confiança em si mesmos.

Isso porque a pessoa que apenas recebe críticas e repreensões dos pais desde cedo acaba por manifestar dificuldades em se relacionar com outras pessoas, exatamente pela insegurança de achar que está sempre fazendo algo errado. Portanto, o diálogo entre pais e filhos também serve para melhorar a sociabilidade.

Permite compreender sentimentos

A correria e o estresse do dia a dia podem fazer com que as pessoas dentro de uma mesma casa não se comuniquem. Com isso, questões importantes relacionadas aos próprios sentimentos ficam escondidas e um não sabe o que acontece com o outro.

Por isso, é muito importante estabelecer um tempo para que a família se reúna e possa dialogar. Pode ser na hora de alguma refeição ou mesmo à noite, antes de dormir. Nessa oportunidade, deve ser dada a cada um a chance de falar e de ser ouvido.

A partir disso, ambas as partes, pais e filhos, poderão sentir uma maior liberdade em se abrir e revelar sentimentos que, com a rotina, acabam por ficar escondidos. Essa é uma excelente maneira de extravasar o que talvez não esteja fazendo bem e também de expressar carinho pelo outro.

Auxilia em momentos difíceis

Como dito, o hábito de não se comunicar impede que pensamentos e sentimentos sejam colocados para fora. Somente dessa maneira uma pessoa conseguirá entender o que a outra passa. Lembre-se de que saúde mental é assunto sério.

Se for o caso de ela enfrentar momentos turbulentos em sua vida, o diálogo será a melhor estratégia para ter conhecimento disso. Se essa pessoa for o seu filho, há uma espécie de dever dos pais em auxiliá-los, já que ninguém quer mais o bem deles que vocês, não é mesmo?

Nesse sentido, em primeiro lugar, é fundamental buscar, por conta própria, ouvir e ajudar como puderem. Eles precisam de reforço nos estudos? Tire uma hora do dia para dar uma força nisso. Eles estão muito ansiosos? Procure escutá-los, para compreender e mantê-los mais calmos.

Se isso não for suficiente e você notar que é preciso um apoio profissional, procure-o, seja um professor particular, seja um psicólogo. Isso também é fundamental para que seus filhos entendam que poderão ter o apoio necessário quando precisarem e que você não medirá esforços para oferecê-lo.

Como estabelecer o diálogo com os filhos?

Depois de entender os motivos para buscar o diálogo com os filhos, você pode se perguntar: mas como vou fazer isso? Então, na prática, algumas estratégias podem ajudar no sentido de facilitar a comunicação entre pais e filhos.

Conte experiências próprias

Sabe aquele hábito comum entre avós de contar histórias antigas para seus netos? Então, isso pode parecer banal, mas tem grande importância no desenvolvimento de uma pessoa. Afinal, além de permitir que ela conheça outra realidade e outras vivências, essa também é uma forma de estabelecer um diálogo.

Assim, de maneira natural, você pode contar para os seus filhos algumas de suas próprias experiências. Elas poderão trazer aprendizados novos para eles e também criar uma maior aproximação. Com isso, aos poucos, eles terão mais segurança para se abrir e contar as suas próprias histórias. Será uma troca de experiências incrível, acredite!

Ouça seu filho

O diálogo é feito de dois interlocutores se expressando. Portanto, além de falar, também é fundamental saber ouvir. O que ocorre é que, algumas vezes, os filhos podem passar por dificuldades e apenas o ato de falar e ser escutado pode ajudar.

Então, coloque em prática o hábito de escutar o que seu filho tem a dizer. Pode ser desde coisas que pareçam banais, como uma atividade feita durante o dia, até algo mais profundo, como algum medo ou insegurança que ele possa sentir. Todo mundo precisa desse suporte alguma vez na vida e tê-lo dos pais é ainda mais reconfortante.

Evite julgamentos

Não é raro que as pessoas deixem de fazer o que querem e gostam simplesmente pelo receio de um julgamento. É inevitável, mas o olhar do outro pode interferir nas nossas próprias ações, embora não devesse ser assim.

Por isso, o que seus filhos menos precisam é desse julgamento, ainda menos vindo dos pais. Portanto, quando permitir que eles se abram e digam o que pensam e sentem, evite julgá-los. Isso não significa, porém, deixar de orientá-los se eles estiverem errados em algo.

O melhor a fazer é orientar, dar conselhos e mostrar o melhor caminho a eles. Tal prática ajuda a manter uma relação saudável e fazê-los entender que, pelo menos em casa, poderão ser eles mesmos sem medo de serem repreendidos.

Sendo assim, você pode perceber que os vínculos entre pessoas da mesma família são importantes até mesmo nas relações estabelecidas com outras pessoas. Quanto a isso, os pais têm papel fundamental ao estabelecer um diálogo com os filhos.

Como visto, essa prática estimula a confiança, não só entre ambos, como também no indivíduo em si mesmo. Ela, ainda, permite compreender os sentimentos do outro e abre espaço para oferecer auxílio quando necessário.

Não é difícil criar esse hábito dentro de casa. Com atitudes simples como contar experiências próprias, ouvir e não julgar, é possível dar o primeiro passo para melhorar a convivência e o diálogo com os filhos. Então, que tal começar a fazer isso a partir de agora? Pode acreditar, vale a pena!

Gostou dessas dicas? Então, siga a gente nas nossas páginas nas redes sociais! Estamos no FacebookInstagramTwitter e YouTube.


Veja mais

Seguro funerário ou assistência funerária? Entendas as diferenças

O falecimento de um parente ou amigo próximo é um momento complicado. Além de você ter de lidar com a dor da perda, é preciso organizar a documentação, velório e funeral. Se a família não tiver seguro funerário ou assistência funerária, a situação ficará mais difícil e dispendiosa financeiramente. O indicado é fazer um plano individual […]

Entenda como funciona a doação de órgãos no Brasil

Você sabia que existe a lei 9.434 de 4 de fevereiro de 1997, que regulamenta a doação de órgãos no Brasil, há mais de 20 anos? Ela determina que possam ser retirados tecidos, órgãos e partes do corpo do falecido para transplantes ou fins terapêuticos. Mesmo mediante a vontade expressa da pessoa antes de morrer, a […]

Entenda agora o real significado da missa de sétimo dia

Com certeza, você ou alguém conhecido já foi na missa de sétimo dia de um falecido. Uma tradição de religião ou um costume de povos, é um evento que finaliza os rituais de pós-morte. Porém, poucas pessoas sabem realmente o seu significado. Por isso, já parou para pensar como e por que surgiu esta liturgia? Quais países seguem […]