Como comunicar um falecimento para pessoas com problemas de saúde?

Que a vida é efêmera, todos sabemos. Mas a informação sobre o falecimento de alguém tão querido está longe de ser aceitável por muitas pessoas, independentemente da crença. Não queremos nos separar daqueles a quem amamos.

Muitas vezes, além de termos de lidar com nosso sofrimento, ainda há a tarefa de comunicar a morte de alguém para uma pessoa com problemas de saúde. Dependendo do histórico de vida dela, a forma como se noticia o fato pode provocar mais dor, choque, não aceitação, confusão e até um desmaio.

Então, como fazer esse comunicado de forma a preservar a saúde emocional do doente? Essa é uma questão que será respondida neste artigo abaixo. Queremos ajudar você a conhecer as melhores formas de abordar esse assunto em um momento delicado.

Recupere-se primeiro com o fato do falecimento

Antes de comunicar o falecimento a outra pessoa, busque se equilibrar novamente, superando os sentimentos negativos. Tome um banho, um chá, medite, respire profundamente por alguns instantes, procure um local tranquilo. Na hora em que sentir que o impacto diminuiu e estiver seguro, entre em contato com a outra pessoa.

 

Encontre um ambiente adequado para dar a notícia

Realmente, não é uma tarefa fácil. Porém, ninguém pode impedir que a pessoa adoentada saiba do falecimento de alguém querido. Pense na narrativa sobre a morte para o outro. Já tenha isso esquematizado em sua cabeça e ensaie como vai dizer. Se coloque no lugar de quem receberá a notícia.

Desta forma, leve a pessoa para um lugar calmo, confortável, privado e transmita segurança e controle emocional para dar a informação. Veja como a pessoa está se sentindo, se ela sabe de alguma coisa. Isso é importante para ajudar na abordagem. Use frases de transição para preparar o doente como:

  • “Não tenho uma notícia boa para dar.”
  • “Recebi um telefonema do hospital e me informaram que houve um acidente.”
  • “Não existe uma forma fácil de contar isso, mas…”
  • “Você precisa ser forte, pois tenho uma notícia ruim…”

Vá explicando calmamente, escolhendo as palavras certas quanto ao ocorrido e responda às questões levantadas por ela até dizer sobre o falecimento de maneira conciliadora, buscando amenizar a dor da pessoa.

Mostre a ela sua firmeza emocional para ajudá-la a passar por esse momento dando todo amparo necessário. Deixe-a liberar suas emoções e não crie conflitos. Se houver necessidade, chame um médico.

Procure a ajuda de médico e especialistas em psicologia

Se você perceber que não está apto para dar a notícia da morte de alguém para uma pessoa adoentada, entre em contato com o médico que assiste o paciente ou um psicólogo para conhecer a forma mais adequada de dar a informação. Caso, mesmo assim, não tenha coragem e se não houver ninguém que assuma a tarefa, peça para o profissional da saúde fazer o comunicado.

Com sua experiência, ele saberá encontrar a melhor maneira e as palavras certas. Se houver necessidade, já estará no local para atender o paciente com as medicações corretas. Se a pessoa estiver internada, aproveite que o hospital tem profissionais qualificados: além do médico e do psicólogo, um assistente social pode fazê-lo.

Quando o falecido já estava internado e veio a falecer, os próprios médicos se encarregam de providenciar a assistência emocional de que os familiares precisarão. A pessoa mais velha, por exemplo, já tem um emocional mais estruturado, pois ao longo de sua vida contabilizou perdas de todos os tipos. Por isso, é importante deixá-lo passar pelo luto.

O que você pode fazer nesse momento é evitar que a pessoa fique isolada. Dê afeto e mostre que amigos e familiares estão dispostos a ajudar. Amplie o vínculo afetivo.

Esse tipo de notícia causa impacto forte na pessoa, independentemente da idade. Porém, se estiver fazendo o tratamento corretamente, pode ser administrável.

Deixe a pessoa passar pelo luto

Depois que a pessoa ficar sabendo do falecimento, deixe que o luto siga seu curso para não haver complicações emocionais e nem mesmo patológicas. O doente, dependendo do grau de convívio com o falecido, passará pelas fases de negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

Converse sobre o assunto com a pessoa como se estivesse falando sobre temas rotineiros. Aborde sobre seus sentimentos e formas de pensar. Recordem momentos divertidos.

Auxilie na documentação do falecido

Se prontifique a ajudar nas questões burocráticas, como Certidão de Óbito, declaração, Boletim de Ocorrência, velório, sepultamento ou cremação e o que for necessário. Nada disso pode ser adiado ou esperar a recuperação emocional do familiar. Provavelmente, ele não se sentirá capaz de tratar desses assuntos.

Quando o falecimento ocorre em um hospital, a instituição já emite a Certidão de Óbito para que os familiares possam dar andamento aos demais documentos. Caso o morto seja cremado, nessa certidão deverá constar a assinatura de dois médicos, pois se houver um processo legal, com a queima do corpo se perderá todo material genético para uma demanda jurídica.

Se a morte foi na residência, deve-se fazer o Boletim de Ocorrência em que um investigador ou delegado averiguará no local se foi morte natural, excluindo qualquer suspeita de crime. Após, o corpo é levado para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO) para necropsia. O médico legista fará a análise para estabelecer a causa da morte.

O B.O. também garante os direitos de herança e as questões ligadas a testamento ou inventário. A memória da pessoa também é amparada por lei, pois pode haver algum desrespeito que mereça um processo por parte dos entes.

Agora, se a pessoa faleceu em via ou ambiente público, a Polícia Militar deve ser chamada para encaminhar o corpo para o Instituto Médico Legal verificar se foi morte natural ou se houve uma causa extrema.

Por mais difícil que seja a morte, deve ser tratada de forma transparente. Avisar uma pessoa com problemas de saúde sobre o falecimento de um ente querido é delicado, mas com essas dicas você poderá tomar a melhor decisão para dar a ela o suporte necessário.

Para ajudar mais nesses momentos, leia o artigo sobre saúde mental, que é tão necessária aos indivíduos quanto o cuidado com o corpo.

Veja mais

Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos. A verdade é que todo tipo de relacionamento […]

Seguro funerário ou assistência funerária? Entendas as diferenças

O falecimento de um parente ou amigo próximo é um momento complicado. Além de você ter de lidar com a dor da perda, é preciso organizar a documentação, velório e funeral. Se a família não tiver seguro funerário ou assistência funerária, a situação ficará mais difícil e dispendiosa financeiramente. O indicado é fazer um plano individual […]

Entenda como funciona a doação de órgãos no Brasil

Você sabia que existe a lei 9.434 de 4 de fevereiro de 1997, que regulamenta a doação de órgãos no Brasil, há mais de 20 anos? Ela determina que possam ser retirados tecidos, órgãos e partes do corpo do falecido para transplantes ou fins terapêuticos. Mesmo mediante a vontade expressa da pessoa antes de morrer, a […]