Como identificar e procurar tratamento para a depressão pós luto?

Lidar com a ausência de uma pessoa querida devido ao seu falecimento é um processo que todas as pessoas terão de passar. O luto é inerente à vida de todos, o problema é quando ele se transforma em depressão pós-luto.

A dor da perda de alguém que amamos é muito particular e individual. Cada pessoa reage de uma maneira, com crises de choro, estresse, ataques emocionais e até isolamentos. É possível, inclusive, apresentar distúrbios psicológicos, como a depressão.

Continue a leitura e entenda como identificar a depressão pós-luto e saber procurar ajuda para você ou outra pessoa.

Como a pessoa pode identificar a depressão pós-luto?

O luto tem começo, meio e fim. Para uns, pode durar meses, enquanto para outros, anos. O importante é conseguir retomar a rotina aos poucos.

No entanto, existem casos em que as pessoas se sentem incapazes e deixam de trabalhar e até mesmo de fazer coisas de que gostam. Geralmente, a depressão pós-luto ocorre com pessoas que perderam parentes de forma repentina em acidentes, tragédias, suicídio ou morte precoce de uma criança ou filho.

Quais são os sinais e sintomas que evidenciam que uma pessoa está em depressão?

Fatores como desinteresse pela vida, pela saúde, desistência de projetos, variação de humor, excesso ou falta de apetite, sono demais ou insônia, isolamento, tristeza e angústia, taquicardia e sudorese são sinais de depressão.

Ainda há outros, como estômago revirado, tremedeira e sensibilidade ao barulho. Portanto, é preciso ter atenção, pois o estado emocional abalado deixa o organismo suscetível a doenças.

Como pode ajudar a si mesmo e as pessoas ao seu redor com depressão?

Ao perceber que não consegue superar o luto e obter a rotina de volta, é importante procurar ajuda profissional de um psiquiatra ou psicólogo para que eles ajudem a resolver os conflitos gerados pela morte do parente.

A psicoterapia ensinará a lidar com a dor, tristeza e a compreender que algumas mudanças em sua vida deverão ser aceitas. Com o tempo, todos os sentimentos vão ganhando seus lugares com menos intensidade. Você não vai esquecer a pessoa amada, mas vai saber conviver com a saudade e sua ausência de forma saudável.

Dependendo do nível de depressão, o psicólogo vai aconselhar a procurar um psiquiatra a fim de fazer um tratamento com medicamento para sair da crise aguda e começar a ver a vida de outra forma.

Quais são os tipos de terapia?

As terapias não são uma receita de bolo e há diversas vertentes com as quais cada paciente se identifica e isso ajuda no processo de cura ou melhora. São elas:

  • psicanálise;
  • junguiana;
  • lacaniana;
  • cognitivo-construtivista;
  • analítico-comportamental;
  • cognitivo-comportamental;
  • gestalt-terapia;
  • psicodrama.

Como buscar qualidade de vida diante da depressão?

A depressão deixa a pessoa desanimada, mas é preciso procurar fazer algumas atividades e mudar o estilo de vida como parte do tratamento. Isso pode ser feito por meio de:

  • exercícios físicos;
  • meditação;
  • passeios junto à natureza;
  • boas noites de sono;
  • aceitação da vida como ela é;
  • alimentação saudável etc.

A depressão pós-luto é complexa e pode se tornar crônica se não for tratada a tempo, levando a pessoa a desenvolver outros distúrbios psiquiátricos ou físicos e em casos mais graves à morte.

Por isso, se você ou alguém que conheça ou conviva apresenta os sintomas de depressão após o falecimento de um ente querido, busque ajuda médica especializada para vencer o problema e ter mais qualidade de vida.

Considerou o texto importante? Aproveite para compartilhar nas redes sociais e auxiliar mais pessoas que estejam precisando.

Veja mais

Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos. A verdade é que todo tipo de relacionamento […]

Seguro funerário ou assistência funerária? Entendas as diferenças

O falecimento de um parente ou amigo próximo é um momento complicado. Além de você ter de lidar com a dor da perda, é preciso organizar a documentação, velório e funeral. Se a família não tiver seguro funerário ou assistência funerária, a situação ficará mais difícil e dispendiosa financeiramente. O indicado é fazer um plano individual […]

Entenda como funciona a doação de órgãos no Brasil

Você sabia que existe a lei 9.434 de 4 de fevereiro de 1997, que regulamenta a doação de órgãos no Brasil, há mais de 20 anos? Ela determina que possam ser retirados tecidos, órgãos e partes do corpo do falecido para transplantes ou fins terapêuticos. Mesmo mediante a vontade expressa da pessoa antes de morrer, a […]