Pet memorial: o que fazer após a morte do meu animal de estimação?

Os animais de estimação, gato ou cachorro, são mais que família para seus donos. Alegram as casas, ajudam na cura de doenças emocionais e até mesmo físicas. Não há como negar que o companheirismo e o carinho ofertados por eles são sinceros e de graça. Mas, quando morrem, o que devemos fazer com seus corpos? Existe um pet memorial?

Nesse momento, por falta de conhecimento, muitas pessoas fazem algo errado: enterrar o grande amigo no quintal de casa, em algum terreno ou sítio. Isso não deve ser feito, pois um corpo em decomposição produz líquidos com muitas bactérias, salmonela e ainda substâncias tóxicas como putrescina e cadaverina, sendo que para elas não há antídoto.

Além disso, o necrochorume contamina o solo e o lençol freático, atingindo fontes de água e postos artesianos. Então como agir após o falecimento do seu animal? Acompanhe a leitura e vamos esclarecer essa dúvida.

Existe enterro ou cremação de animais?

Como dito acima, enterrar no quintal de casa ou largar em caçamba, além de ser errado, é crime previsto no artigo 54 da Lei Ambiental, podendo levar o dono do animal até para a prisão. Assim, existem cemitérios de animais de estimação, como de seres humanos. O enterro é feito em um caixão e em uma lápide, mas as despesas são pagas pelos proprietários.

Uma alternativa é a cremação dos animais, que geralmente consta dentro do plano familiar de uma funerária. Com a cobertura do pet memorial é possível fazer o velório se os donos quiserem, pois há uma equipe de cerimonial fúnebre para essas ocasiões.

Caso a família do animal não tenha nenhuma dessas coberturas, deverá entrar em contato com o Centro de Controle de Zoonose de sua cidade para solicitar a retirada do corpo, pois a Prefeitura faz a cremação gratuitamente de forma coletiva.

Os cachorros ou gatos devem ser enterrados ou cremados no máximo dentro de 24 após sua morte, para evitar a proliferação de doenças devido à decomposição.

Quais os preços praticados no mercado?

A média de preço da cremação de animais considera o peso do cachorro ou gato. Assim, os custos variam entre R$ 150 e R$ 550 para os de pequeno porte, R$ 200 a R$ 600 para os de médio porte e R$ 250 a 750 para os de grande porte ou gigante.

O que os donos devem fazer após a morte do animal?

Se houver suspeita de doenças como raiva e leptospirose é necessário fazer a autópsia e comunicar a Vigilância Sanitária, se der positivo. Isso porque tais doenças são casos de saúde pública. Mas se o resultado for negativo, basta escolher onde o amigo tão querido será enterrado ou cremado dentro da Lei.

Existe plano para os pet’s?

Planos funerários específicos para pet’s não existem. O que há no mercado é uma cobertura para os cachorros e gatos dentro do plano funerário familiar.

Quais são as opções após o falecimento do pet?

O funcionamento do pet memorial promove o velório, a cremação e o acolhimento das pessoas que perderam um animal de estimação por morte. Afinal, emocionalmente não há diferença entre o luto de uma pessoa ou de um bichinho. Os afetos são os mesmos para ambos e, por consequência, o acolhimento também.

Para entender melhor, quem mais fala nos atendimentos é a pessoa enlutada. Muitas vezes o profissional mal dá uma orientação, porém a presença de alguém que escuta sua dor ajuda a ressignificar o seu sentimento. O acolhimento psicológico é um momento de reflexão, autoconhecimento e entendimento das emoções para que a pessoa que perdeu seu pet possa seguir a vida.

Há a tendência de guardar roupinhas e brinquedos que os animais mais gostavam, fotos dos pets e as cinzas do peludo, que podem ficar armazenadas em urnas bem trabalhadas de modelos diversos.

Quanto tempo demora o luto de um gato ou cachorro?

Vivenciar o luto é uma experiência muito particular e de difícil mensuração. Em relação à morte de um pet, geralmente a pessoa supera em questão de meses, mas há aquelas que podem levar até um ano.

O luto está ligado ao tipo de relacionamento que o dono tinha com o animal, se ele foi adotado quando filhote e viu todo o seu desenvolvimento, passaram muitos momentos de alegria e tristeza juntos, se era aquele companheiro que ficava nos pés dos familiares. Tudo isso aumenta o apego pelo peludinho.

Dependendo do nível de afetividade e dependência emocional, a pessoa pode encontrar muita dificuldade para lidar com o luto. Se o tempo se estender ou houver comprometimento profissional e pessoal, o recomendado é procurar ajuda com um psicólogo.

Como lidar com esse sentimento?

Momento doído esse, mas há algumas atitudes que ajudam a amenizar a dor. Veja como colocá-las em prática.

Realize a despedida

Para absorver a ideia de morte é preciso vivenciar o luto. Dê um final digno ao seu cão ou gato, organize uma cerimônia de despedida, mesmo que tenha alguns gastos. Não se reprima, chore o que for necessário.

Viva as fases do luto

Não guarde sentimentos, passe pelas etapas de negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Seja realista com suas emoções, desabafe quando sentir vontade, sinta a perda, questione. É tudo parte do processo de superação.

Evite a culpa

Se o animalzinho estava doente, pense que fez o que estava ao seu alcance, que jamais provocaria um sofrimento. Ele cumpriu o ciclo de vida dele na terra e vocês tiveram grandes momentos.

Transforme sua dor

Que tal beneficiar outros animais? Assim poderá se sentir melhor. Entre em contato com as entidades que cuidam dos animais abandonados e colabore com eles de alguma forma, assim melhorará a vida de tantos cachorros e gatos.

Adote outro pet

Um animal não substitui o outro, mas você pode dar o amor guardado em seu coração, carinho, um lar, comida e brincadeiras para outro pet. Estabeleça novo vínculo de afeto.

Aqui, você aprendeu a respeito do que deve ser feito após a morte do seu animal. Além de entender a respeito do pet memorial e cremação de animais, aprendeu que é proibido enterrar seu pet no seu quintal ou em qualquer lugar que não seja o cemitério para bichos. Agora, poderá fazer os procedimentos de forma correta.

Tem interesse em saber mais sobre o assunto ou mesmo conhecer um pet memorial? Entre em contato com nossa empresa e teremos o prazer de orientar em detalhes.

Veja mais

Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos. A verdade é que todo tipo de relacionamento […]

Seguro funerário ou assistência funerária? Entendas as diferenças

O falecimento de um parente ou amigo próximo é um momento complicado. Além de você ter de lidar com a dor da perda, é preciso organizar a documentação, velório e funeral. Se a família não tiver seguro funerário ou assistência funerária, a situação ficará mais difícil e dispendiosa financeiramente. O indicado é fazer um plano individual […]

Entenda como funciona a doação de órgãos no Brasil

Você sabia que existe a lei 9.434 de 4 de fevereiro de 1997, que regulamenta a doação de órgãos no Brasil, há mais de 20 anos? Ela determina que possam ser retirados tecidos, órgãos e partes do corpo do falecido para transplantes ou fins terapêuticos. Mesmo mediante a vontade expressa da pessoa antes de morrer, a […]