Saiba o que é desospitalização e suas vantagens para o paciente

A desospitalização é um modo de prosseguir o tratamento de pessoas enfermas, propiciando a elas um ambiente fora dos hospitais que favoreça sua melhora. Trata-se de uma tendência mundial que tem por base a ética e o respeito pela dignidade do ser humano.

Continue com a leitura deste post e conheça esse recurso, suas modalidades e as vantagens para a saúde e qualidade de vida do paciente.

O que é a desospitalização

Trata-se de um procedimento que visa à redução do tempo de internação de um paciente em hospitais tradicionais, proporcionando a continuidade do tratamento em outros ambientes (no lar ou em instituições de apoio).

O objetivo é buscar formas de intervenção que tragam benefícios não só para o enfermo, mas também para seus familiares e para o próprio hospital. Mas isso não é feito de qualquer modo, pois é preciso atender a certos critérios — estabelecidos por convênios médicos ou pela Associação Brasileira de Empresas de Medicina Domiciliar (ABEMID).

Modalidades de continuação de tratamento médico

Existem basicamente duas formas de se proceder à desospitalização: o atendimento doméstico e o hospital de apoio. Vejamos, adiante, como elas funcionam.

Atendimento domiciliar

Também conhecido pela expressão inglesa home care (home = casa, lar; care = cuidado, atenção), essa modalidade é adequada para aquela pessoa cuja continuidade do tratamento pode ser realizada em sua própria casa, com a assistência de profissionais de saúde (médicos e enfermeiros).

Hospital de apoio

Nesse caso, o lar não oferece um ambiente seguro para a continuação da terapia. Porém, por outro lado o paciente não precisa de toda a estrutura hospitalar à sua disposição: é um meio termo entre a internação tradicional e o tratamento em casa.

Essa modalidade é indicada para distúrbios já estabilizados (caso em que não há riscos de piora) ou para cuidados paliativos (caso em que a doença é crônica, sem solução, e o medicamento apenas cumpre a função de controlar os sofrimentos físicos e mentais).

Vantagens para a saúde do paciente

Para quem não precisa ficar internado, ser mantido nessa situação é algo que poderá trazer-lhe muita angústia, uma situação verdadeiramente desumana. Além disso, essa condição será contraproducente, ou seja, em vez de ocorrer melhoras, produzirá um agravamento de seu quadro clínico.

Vejamos, então, algumas das vantagens da desospitalização, do ponto de vista da saúde do enfermo:

  • fortalecer seu estado emocional, na medida em que estará mais próximo de seus familiares e amigos;
  • reduzir a possibilidade de riscos por contágio (infecções hospitalares, por exemplo);
  • contar com atendimento individualizado, com o carinho e a atenção que sua situação requer;
  • gozar do conforto de seu lar.

Perceba que esses benefícios poderão contribuir em muito para uma melhora de sua enfermidade, pois as circunstâncias afetivas e emocionais de um indivíduo desempenham um papel importante em seu equilíbrio físico e psíquico.

E então, já está mais bem informado sobre o que seja a desospitalização? Percebeu que, quando feita de forma adequada, ela poderá influenciar positivamente no tratamento de uma doença? Esperamos que sim!

E se você deseja saber mais sobre assuntos relacionados à saúde e ao bem-estar, assine nossa newsletter e fique por dentro dos nossos conteúdos.

Veja mais

Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos. A verdade é que todo tipo de relacionamento […]

Seguro funerário ou assistência funerária? Entendas as diferenças

O falecimento de um parente ou amigo próximo é um momento complicado. Além de você ter de lidar com a dor da perda, é preciso organizar a documentação, velório e funeral. Se a família não tiver seguro funerário ou assistência funerária, a situação ficará mais difícil e dispendiosa financeiramente. O indicado é fazer um plano individual […]

Entenda como funciona a doação de órgãos no Brasil

Você sabia que existe a lei 9.434 de 4 de fevereiro de 1997, que regulamenta a doação de órgãos no Brasil, há mais de 20 anos? Ela determina que possam ser retirados tecidos, órgãos e partes do corpo do falecido para transplantes ou fins terapêuticos. Mesmo mediante a vontade expressa da pessoa antes de morrer, a […]