Afinal, por que temos medo da morte?

Mesmo que ela seja uma das poucas certezas que temos na vida, ninguém gosta muito de falar no assunto. E boa parte disso se deve ao medo da morte e até de uma dificuldade em aceitar algo inevitável.

O fato é que o medo de morrer, em muitas situações, pode ser algo benéfico. No entanto, é necessário saber a diferença entre o natural e o excessivo e, se necessário, procurar ajuda profissional.

Assim, neste post explicamos quando o medo da morte pode ser um problema e como superá-lo. Acompanhe!

Como surge o medo?

O medo é uma resposta espontânea do organismo a alguns momentos específicos. É o caso de quando estamos prestes a sermos atacados por um animal selvagem, vamos cair de algum lugar ou sofrer outro tipo de acidente. Ou seja, trata-se de um mecanismo de defesa natural.

Desta forma, ao temermos alguma coisa, nosso cérebro é acionado para encontrar uma solução rápida para cada momento. Por isso, nossa primeira reação ao se deparar com um animal selvagem seria correr, enquanto ao estar para cair é tentar se apoiar ou se proteger de qualquer forma. Nesse sentido, o medo da morte é uma maneira de buscarmos conservar a própria vida e até a de outra pessoa.

Quando o medo da morte é prejudicial?

Porém, o natural é que o medo de morrer passe assim que o perigo é superado. Ou seja, se você não está correndo de um animal, prestes a se acidentar ou qualquer outra situação que ponha em risco a sua vida, não há por que temer.

Ainda assim, muitas pessoas conservam esse medo da morte por muito tempo, impedindo que elas façam algumas coisas e até atinjam seus objetivos. É o caso, por exemplo, de quem deixa de acampar com os amigos por não querer ser atacado, não mora em edifícios altos por não saber lidar com a altura ou não aprende a dirigir por temer um acidente de carro.

Ora, isso pode, de fato, ocorrer com qualquer pessoa. Mas, infelizmente, deixa-se de experimentar e aprender coisas novas, conhecer pessoas, enfim, de viver! Ter medo de morrer pode impedir que você cresça e se desenvolva como ser humano.

Como superar o medo excessivo?

A verdade é que não é nada fácil superar o medo da morte e isso não é possível de uma hora para outra. Até porque uma pessoa pode conviver a vida toda com ele, sem notar que tenha atrapalhado bastante.

Portanto, a primeira coisa a se fazer é tentar entender se o medo que tem é normal ou excessivo, passageiro ou permanente. Para tanto, faça uma análise de todas as coisas que você conquistou e pretende conquistar e veja se o medo de morrer ou de ter outro problema pode ser um empecilho.

É bom lembrar que nem sempre é possível superar o medo da morte sozinho. Por isso, se for necessário, procure ajuda de um psicólogo, tanto para descobrir se o temor tem sido prejudicial quanto para encontrar uma forma de superá-lo.

Gostou dessas dicas de como superar o medo da morte? Então, compartilhe o post nas redes sociais, pois o assunto pode interessar a outras pessoas!

Veja mais

E-book: Medidas legais após a morte de um ente querido

Quando preparamos esse material, queríamos tirar as principais dúvidas em relação às documentações e trâmites burocrático que precisa lidar após a morte de um familiar ou amigo próximo. Por isso, abordamos os seguintes temas: Documentação necessária para o sepultamento; Medidas legais para cancelar documentos e contas do falecido; Orientações sobre abertura do inventário; Procedimentos legais para […]

Celebração de finados: saiba mais sobre a história deste dia

Quando nos aproximamos da celebração de finados, vivenciamos um momento importante para a memória e a aceitação da perda dos nossos entes queridos. É uma data introspectiva, principalmente para familiares, que visitam túmulos, deixam flores e acendem velas para o que se foram eternamente. Aqui no Brasil, homenageamos os falecidos no dia 2 de novembro […]

Entenda a importância de estabelecer o diálogo com os filhos

As relações familiares são algumas das mais importantes na construção do indivíduo. Elas são responsáveis por desenvolver sentimentos de afeto e solidariedade, por exemplo. Contudo, para que elas sejam ainda mais significativas, principalmente no caso dos pais, é fundamental que esses procurem manter sempre o diálogo com os filhos. A verdade é que todo tipo de relacionamento […]