O que é exumação e como funciona: tire todas as suas dúvidas

7 minutos para ler

Você tem ideia sobre o que é exumação? Embora pareça estranho pensar nesse assunto, há uma série de procedimentos que ocorrem após a morte e o enterro de uma pessoa. É comum pensar, sobretudo devido aos filmes, que nos anos seguintes ao sepultamento apenas realizamos visitas ao cemitério no qual está enterrado o ente querido, levamos flores e prestamos nossas homenagens. Na verdade, essa é apenas uma parte do processo.

Ao conhecer melhor sobre o que é exumação, você terá conhecimento da parte mais burocrática e poderá cuidar dos restos mortais de um ente querido com o carinho e respeito merecidos, garantindo que tudo ocorra conforme a Lei 1740/83. Neste artigo, vamos explicar o processo de exumação, como ele é feito e a diferença entre exumação e cremação, uma dúvida bem comum. Acompanhe a seguir nossas informações.

O que é exumação?

A exumação de um corpo é a retirada dos restos mortais decompostos de uma pessoa após três anos de seu falecimento. Os ossos são colocados em urnas de zinco, gavetas ou transferidos para serem cremados. Se houver tecidos de roupas, bem como pedaços de pele, ambos são levados para o aterro municipal, junto com o caixão.

Quando o túmulo é particular, geralmente os restos mortais são colocados de volta dentro da sepultura. Se for comunitário, são recolhidos e direcionados para o ossuário público.

O processo da exumação é realizado em todos os túmulos depois desses três anos e isso ocorre por diversas razões. É possível que o cemitério tenha atingido a lotação máxima ou a família mude de cidade e deseje levar os restos mortais do falecido.

Há também casos de ordem judicial, quando o falecimento da pessoa está em investigação policial, para testes de paternidade ou por seguro, situações nas quais se precisa de material genético. Por fim, é possível realizar o processo caso haja necessidade de enterrar outro familiar naquele túmulo.

Como é feita a exumação?

Em todos os cemitérios do Brasil, a forma de exumação é igual, porém, há algumas taxas a serem cobradas, que não são as mesmas. Nos cemitérios públicos, a família paga por corpo exumado, e o valor é tabelado pela Prefeitura. Já nos particulares, os valores são diferentes entre eles.

No dia e hora marcados, as pessoas envolvidas identificam a sepultura e fazem fotografias com o objetivo de garantir ser o túmulo correto. Os coveiros usam respiradores, luvas e macacões para evitar contaminação com bactérias que estejam no túmulo e, assim, não adquirir alguma doença.

Ao abrir, o caixão é fotografado e identificado com todos seus detalhes que os técnicos julgarem importantes. Verifica-se se não houve arrombamento. Fotografa-se o corpo da maneira que se encontra dentro do caixão. No caso de algum pertence que foi colocado no enterro, este é retirado para ser entregue à família.

Se a pessoa falecida fizer parte de alguma investigação policial, os ossos são encaminhados para o Instituto Médico Legal com o objetivo de descobrir a causa da morte de acordo com os sinais abaixo:

  • os cabelos podem guardar substâncias de envenenamento, ou mesmo um pouco da terra do local onde a pessoa foi enterrada;
  • pessoas que morreram por câncer têm os tumores calcificados nos ossos, é outra indicação;
  • morte por hemorragia interna deixam manchas pardas nos ossos por muitos anos;
  • o raio-X dos ossos indica a idade no momento do falecimento, fraturas, restos de fragmentos de bala, como sinal de crime;
  • a arcada dentária, além de identificar a pessoa, demonstra o nível de saúde dela;
  • alterações no útero ou restos de ossos de feto mostra uma gravidez quando a pessoa morreu;
  • pelas unhas é possível saber se o morto comia carne ou era vegetariano, dentre outras coisas.

Quando fazer a exumação e quais os requisitos obrigatórios?

Após os três anos de espera, a exumação é realizada pelos motivos já citados: por mudança de um cemitério para outro, de uma cova para outra, por investigação policial e por excedente do cemitério.

Na sepultura perpétua, a exumação só é feita com solicitação da família. A pessoa que tem os documentos de concessão do jazido particular em questão precisa solicitar junto ao cemitério a exumação após tempo determinado pela legislação. O cemitério fornecerá o Requerimento para Exumação, e a pessoa terá de levar a certidão de óbito, RG e CPF comprovando o parentesco com o falecido.

Em seguida, levará a documentação na Secretaria reguladora de sua cidade e aguardará a autorização. Caso seja o cemitério que esteja precisando fazer a exumação para liberar espaço, será ele que enviará a documentação para a órgão municipal e notificará a família sobre data e hora da exumação.

Desta forma, alguém poderá estar presente garantindo que o processo se cumpra de acordo com a lei. Mesmo que ninguém da família compareça, é obrigatório um oficial de saúde, autoridade da Justiça e técnicos responsáveis pela exumação.

Vale ressaltar que, no gratuito, ou comunitário, o processo ocorre independente da autorização ou presença de algum familiar, pois no dia do enterro eles são informados quanto ao prazo para retirar da ossada. Caso a família não retorne após o prazo de três anos, fazemos a exumação e encaminhamos os ossos para o ossuário público.

Quais as diferenças entre exumação e cremação e como escolher?

Após o período de espera, a família que tem túmulo perpétuo pode fazer a cremação pagando duas taxas, uma de saída dos ossos e outra no crematório, caso decida por essa opção, ou guardar os ossos em outra urna e local.

De acordo com a legislação, a cremação pode ocorrer depois de 24 horas do falecimento. No entanto, deve estar registrada em cartório a solicitação do morto ou uma autorização de um parente bem próximo.

O corpo é colocado em uma urna e levado ao forno com temperatura de 1.000°C. O processo dura de duas a três horas. Em seguida, a família recebe as cinzas para serem armazenas em cinerário, levadas para casa ou mesmo jogadas ao mar. Uma curiosidade: até 1964, a Igreja Católica proibia a cremação. No Brasil, o primeiro crematório foi construído em 1974.

Tanto a exumação quanto a cremação são procedimentos que vêm do antigo Egito, Grécia e Roma como rituais funerários. Os egípcios se utilizam muito dos sepultamentos porque pelas suas crenças havia uma grande preocupação na preservação do corpo, considerado a morada da alma.

Já os gregos e romanos acreditavam que cremação um destino nobre para quem morreu, além de ser considerada uma medida higiênica e prática pelos povos antigos. Somente os criminosos e crianças falecidas antes de terem dentes eram sepultados.

Após a leitura deste artigo, você pôde conhecer melhor sobre o que é exumação, como é efeito, quais os requisitos, as diferenças entre exumação e cremação, bem como qual o momento de optar por cada procedimento, além de algumas curiosidades sobre os dois processos.

Busque mais informações entrando em contato com nossa empresa. Estamos aqui para retirar todas as suas dúvidas.

Posts relacionados

Deixe um comentário