Por que ter uma plano funérário? Por que ter uma plano funérário?

Por que ter um plano funerário? Entenda como decidi!

6 minutos para ler

Sabe como a gente percebe que a vida passa rápido demais? Quando alguém que amamos morre, de repente. Foi assim comigo e você logo vai entender por que eu decidi contar essa história. Primeiramente, deixa eu me apresentar. Meu nome é Antônia Bezerra Souza, sou enfermeira e fui casada com Josafá Souza por 25 anos.

Fomos muito felizes com nossos dois filhos, Andressa e Gustavo, ela com 18 anos e ele com 20 anos. Contudo, infelizmente, meu marido teve um infarto há seis anos e faleceu. Foi aí que eu descobri por que ter um plano funerário é tão importante.

Quando recebi a notícia de sua morte, perdi o controle de tudo, não tive condições de pensar em nada e muito menos resolver alguma coisa relacionada a velório e enterro. No entanto, como sou cautelosa, havia feito o plano da Metropax para não ter contratempos em um momento tão difícil.

Por isso, quis contar minha experiência de como tomei essa decisão, para que eu possa ajudar você nessa escolha. Veja!

Como conheci os serviços e por que quis ter um plano funerário

Eu ainda me encontro em luto, pois essa é uma dor que demora para diminuir. Mas sei que é preciso me manter firme para auxiliar meus filhos. Os dois estão cursando faculdade e dependem de mim financeiramente. Logo, tenho que trabalhar para cobrir todas as despesas da família.

Como trabalho na área da saúde, lido com a morte a toda hora. Um dia, pensando no assunto, me senti angustiada e avaliei que seria importante ter um plano funerário ou um seguro funeral, com aquele famoso pensamento de que não sabemos o dia de amanhã.

O que passava pela minha cabeça era que não gostaria de dar e nem ter uma despesa extra alta de repente. Então, procurei informações sobre o assunto. O que descobri, na época, foi que eles reduzem os custos e garantem a prestação do serviço estabelecido, anteriormente, em contrato.

Diante disso, comecei a pesquisar sobre eles, achando que eram todos a mesma coisa. Para minha surpresa, percebi que existem diferenças nas suas funções e custos para quem contrata um deles.

De que forma senti que o plano funerário poderia ajudar durante o velório e com a burocracia

Conversando com os vendedores, pude entender que o plano funerário também pode ser ofertado pelo cemitério. Desse modo, a pessoa paga uma pequena parcela ao longo da vida para usar no seu falecimento ou de algum parente que conste no contrato.

Geralmente, entre os serviços, constam translado do corpo, caixão, sepultamento, coroa de flores, velórios e outros que podem ser acrescidos na aquisição dele. Além disso, existem dois tipos de planos: o familiar e o individual.

O primeiro é mais caro, pois assegura a assistência funerária para mais de uma pessoa da mesma família. Já o segundo é mais barato porque pode adicionar os dependentes para usufruírem das vantagens do serviço.

Por exemplo, como o meu era o familiar completo, a funerária se encarregou de cuidar da burocracia do registro e dos documentos para liberação do corpo, do atestado de óbito, do velório, das taxas municipais que devem ser pagas, do caixão, dos enfeites, da necromaquiagem facial e da cerimônia de despedida.

De forma alguma, imaginamos o tanto de providência que temos de tomar diante de um fato desse, não é mesmo? Por isso, quis deixar tudo organizado.

Plano funerário e seguro funeral: enfim, entendi a diferença

Lembra-se de que eu disse, no início desse texto, que eles não eram iguais? Então, descobri que o seguro funeral é vendido por meio de uma seguradora e tem semelhança com seguro de vida. Ele é feito por uma apólice em que o segurado tem o direito de ser reembolsado quanto aos gastos com o funeral.

Isso pode ser feito de forma individual ou familiar, mas esse último cobrirá somente o cônjuge e os filhos de até 18 anos ou 24 anos, se forem universitários. Ainda, a família não recebe assistência no velório, no transporte e no preparo do corpo.

Com o seguro, eu mesma teria que providenciar tudo. Além do mais, precisaria guardar as notas fiscais de todos os serviços utilizados para poder solicitar o reembolso, desde que estivesse dentro do valor estipulado em contrato.

Como fiz para escolher o mais adequado para minha família

Para eu optar por qual plano funerário era o mais indicado para minha família, comecei avaliando a reputação de cada seguradora, cemitério e funerária que me apresentaram o orçamento. Afinal, esse relacionamento duraria anos, ou melhor, continuou, mesmo depois do falecimento do meu marido.

Sendo assim, pesquisei na internet, procurei pessoas que já eram clientes deles, pedi recomendações e avaliei a documentação que me mandaram. Outro dado com que me preocupei foi em saber sobre a estabilidade financeira da empresa.

Imagina se eu contratasse um serviço desse e, após alguns anos, a funerária fechasse. Teria perdido dinheiro e a garantia do funeral. Por isso, avaliei tudo com calma.

Diante das opções, verifiquei qual atenderia minhas expectativas e seus custos para saber o que caberia no orçamento familiar. Logo, optei pela Metropax e pelo plano funerário, uma vez que economizaria na morte de alguém da minha família.

Desse modo, quando tive a necessidade de usar o plano no falecimento de Josafá e pude contar com remoção e translado, preparação, higienização do corpo, com o caixão que havia escolhido, veículo para o cortejo, ornamentação do velório e mesmo o acolhimento psicológico, durante e depois do sepultamento.

A Metropax me deu toda assistência e segurança que eu precisava naquele momento, principalmente, com a parte burocrática. Afinal, eu não estava em condições de ir atrás disso e meu filhos, por serem muito novos, ainda não têm experiência e conhecimento necessário.

Outro benefício que considerei interessante foi o Clube de Vantagens oferecido pela empresa. Com ele, organizações parceiras dão descontos nos seus estabelecimentos comerciais. São mais de 60 em diversos segmentos.

Muitas vezes, desconsideramos que um dia todos nós iremos morrer. Com isso, fazemos planejamento para tantas coisas, menos para nosso fim ou o de alguém que amamos. Hoje, entendo mais ainda por que ter um plano funeral é tão importante. Se eu não tivesse contratado esse serviço, teria me endividado e as dificuldades com a morte de Josafá seriam maiores.

Meu conselho, a partir da história que vivenciei, é: faça um planejamento financeiro para essa situação. As parcelas mensais são pequenas e não vão apertar seu orçamento. Quer ver? Entre em contato com a Metropax e explique suas necessidades. Com certeza, terão um plano que caiba no seu bolso.

Posts relacionados

Deixe um comentário